"Cremos que a mais importante iniciativa de João Soren para o aprimoramento do canto coral sacro foi a única apresentação no Rio de Janeiro, em setembro de 1955, do célebre "Thomanerchor" (coro infanto-juvenil da igreja de São Tomás, em Leipzig, que foi dirigido durante 27 anos por Bach), que interpretou, além de peças de Bruckner, Reger, David e Kodály, o moteto "Jesus, minha alegria", de Bach, sob a regência de Günther Ramin. Essa audição deve ter inspirado a Dorivil de Souza a criação de um coro infanto-juvenil que pudesse cantar obras de alto nível."

Rolando de Nassau

Publicado em "O Jornal Batista", de 06 de janeiro de 1985, pp.02 e 10.

“Marcante acontecimento sacro-musical verificou-se na Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro, em 7 de setembro de 1955, com a apresentação do famoso Coro dos Meninos Cantores da Escola de São Tomás, anexa à Igreja Evangélica do mesmo nome, em Lípsia (Leipzig), Alemanha, considerado pela crítica especializada o melhor da Europa, no gênero.

O Coro reúne setenta figuras entre meninos e rapazes de onze a dezoito anos. De elevado nível artístico foi o programa, todo ele executado a cappella com impecável justeza e unção religiosa, proporcionando aos ouvintes sublimes momentos de recolhimento espiritual e permitindo-lhes travar conhecimento com músicas sacras contemporâneas, geralmente desconhecidas no Brasil, e apreciar um dos mais belos motetos (n 3) de J. S. Bach “Jesus, minha alegria” (Jesu, meine Freude). Tanto este quanto os dois Graduais do austríaco Anton Bruckner (1873-1916) e os dois Cânticos Religiosos do alemão Max Reger (1873-1916), bem como as mais modernas peças do evangélico austríaco Joh. Nepomuk David, nascido em 1895 (a Missa em alemão, Op. 42), e o húngaro Zoltan Kodály, nascido em 1882 (a cena bíblica para coro misto Jesus e os Vendedores), alcançaram limpidez verdadeiramente maravilhosa permitindo ao ouvinte perceber com clareza, a despeito da espantosa dificuldade de algumas destas peças, a sua possante estrutura, frequentemente revestida de uma complexa trama polifônica.” 

Henriqueta Rosa Fernandes Braga

Música Sacra Evangélica no Brasil. Rio de Janeiro, Kosmos Editora 1961.